Papa Bento XVI sabia de padres que abusaram de crianças, aponta investigação

20 de janeiro de 2022 at 09:58

Abusos aconteceram quando pontífice emérito era arcebispo de Munique, entre 1977 e 1981; relatório de investigação sobre arquidiocese foi divulgado nesta quinta (20)Papa emérito Bento XVI em cerimônia, em 2006.Papa emérito Bento XVI em cerimônia, em 2006.Giuseppe Ruggirello / Wikimedia Commons

Rob PichetaClaudia OttoNadine Schmidtda CNN

em Berlim20/01/2022 às 08:36 | Atualizado 20/01/2022 às 09:37

Papa Bento XVI sabia de padres que abusaram de crianças quando foi arcebispo de Munique de 1977 a 1981, concluiu um relatório investigativo sobre a arquidiocese nesta quinta-feira (20). As informações dos investigadores contradizem as negações de longa data de Bento XVI.

“Ele foi informado sobre os fatos”, disse o advogado Martin Pusch em Munique como parte de um painel que anunciou as conclusões da investigação.PUBLICIDADE

“Acreditamos que ele pode ser acusado de má conduta em quatro casos”, disse Pusch. “Dois desses casos dizem respeito a abusos cometidos durante seu mandato e sancionados pelo Estado. Em ambos os casos, os perpetradores permaneceram ativos na pastoral”, acrescentou.

Bento XVI continua negando as acusações, disseram os advogados do escritório de advocacia Westpfahl Spilker Wastl, nesta quinta-feira, enquanto eram reveladas as conclusões do inquérito sobre abuso sexual histórico na Arquidiocese de Munique ao longo de várias décadas.

As descobertas são um julgamento condenatório sobre o ex-papa, então conhecido como Cardeal Joseph Ratzinger, que surge após anos de especulação sobre o quanto ele sabia.

“Durante seu mandato, ocorreram casos de abuso”, disse Pusch, referindo-se a Bento XVI. “Nesses casos, esses padres continuaram seu trabalho sem sanções. A Igreja não fez nada”, completou.

“Ele alega que não sabia de certos fatos, embora acreditemos que não seja assim, de acordo com o que sabemos”, disse Pusch.