EXCLUSIVO

19 de janeiro de 2022 at 12:31

Pilar caiu quando ônibus passou pela ponte, e não na colisão

Uma nova testemunha contou à Polícia Fluvial que a queda da pilastra aconteceu enquanto ônibus e carros trafegavam pela ponte e não tinha embarcações passando na hora.

 quarta-feira, 19/01/2022, 11:45 – Atualizado em 19/01/2022, 11:45 –  Autor: Denilson d’Almeida/DOL


Ponte de Outeiro após a queda da pilastra. Ponte de Outeiro após a queda da pilastra. | Reprodução .

O depoimento de mais uma testemunha trouxe novas informações sobre o acidente com a ponte Enéas Martins, a famosa ponte de Outeiro. Um marítimo de 40 anos de idade ouvido pela equipe da Delegacia de Polícia Fluvial contou que o pilar não caiu durante o suposto impacto com uma embarcação, mas depois disso. A queda aconteceu, segundo ele, no momento em que um ônibus passava pela ponte e não havia nenhuma embarcação navegando próximo a estrutura.

O acidente ocorreu no início da manhã da última segunda-feira (17) e a ponte continua interditada. A travessia entre a ilha de Caratateua e o continente vem sendo feito por balsas disponibilizadas pelo Governo do Estado.   

Imagens de câmeras de segurança de empresas instaladas às margens do Rio Maguari já estão em posse da polícia e estão sendo analisadas. Elas vão ajudar a identificar e confirmar se e qual a embarcação que colidiu com a estrutura, contribuindo para o desabamento da pilastra.

Ontem (18), a polícia apreendeu uma balsa que pode ter sido a causadora do acidente. Ela foi filmada navegando próximo a ponte, num horário compatível ao do acidente. Uma perícia foi feita para checar danos na embarcação. O laudo, que poderá sair em aproximadamente duas semanas, vai apontar se as avarias são compatíveis com as de um choque com o pilar da ponte.

Os tripulantes desta embarcação prestaram depoimento e alegaram que não houve colisão. No entanto, dos seis que foram ouvidos na condição de testemunha, dois relataram ter escutado um estrondo e minutos depois perceberam um impacto na água – chegando a pensar que um ônibus ou um caminhão pudesse ter caído da ponte. Este impacto pode ter sido justamente provocado pelo pilar que desabou.

 

Policiais da Delegacia Fluvial e peritos vistoriam balsa apreendida
 Policiais da Delegacia Fluvial e peritos vistoriam balsa apreendida | Divulgação/Polícia Civil

Essa fala dos tripulantes, de certa forma, casa com o depoimento do marítimo de polícia que a pilastra não caiu exatamente na hora de uma possível colisão. Ele também foi ouvido na condição de testemunha e contou que estava dormindo numa embarcação ancorada próximo a ponte. Alegou que foi por volta de 6h30, “com um barulho muito forte” e ao sair da cabine foi informado por um tripulante que a ponte que liga Icoaraci a Outeiro estava caindo.

Ele relatou ainda que correu para verificar se a informação da queda da ponte era verdadeira. “Neste momento passou um ônibus em cima da ponte e logo depois uma das pilastras centrais se desprendeu da ponte e caiu na água”. O marítimo pontuou que no momento da queda da estrutura não passava nenhuma embarcação no local e que carros continuaram trafegando sobre a ponte por alguns minutos.

A polícia apura se o estrondo que o marítimo escutou foi do impacto de alguma embarcação com a pilastra.

 

Detalhe da estrutura após o acidente
 Detalhe da estrutura após o acidente | Alberto Bitar/Diário do Pará

As imagens da câmera de segurança da embarcação apreendida já estão com a equipe da Delegacia Fluvial e foram encaminhadas à Polícia Científica Renato Chaves. Os vídeos serão periciados e analisados, assim como os vídeos das câmeras das empresas instaladas próximo à ponte Éneas Martins, no Rio Maguari.