Reino Unido autoriza uso emergencial de vacina da Pfizer e BioNTech

2 de dezembro de 2020 at 07:53

Vacinação já na próxima semana

Imunizante com 95% de eficácia

A Pfizer e a BioNTech anunciaram o resultado final dos testes em 18 de novembro. A vacina mostrou 95% de eficácia na prevenção da covid-19Sam Moqadam/Unsplash

MARINA FERRAZ PODER360
02.dez.2020 (quarta-feira) – 6h08
atualizado: 02.dez.2020 (quarta-feira) – 7h47

O Reino Unido autorizou nesta 4ª feira (2.dez.2020) o uso emergencial da vacina contra a covid-19 desenvolvida por Pfizer e BioNTech. A vacinação deve começar na próxima semana, em 7 de dezembro.

O Reino Unido comprou 40 milhões de doses do imunizante. De acordo com a proposta elaborada pelo governo britânico, os profissionais de saúde da linha de frente e os residentes de lares de idosos serão os primeiros a serem vacinados. Depois, as pessoas mais velhas e com comorbidades.

“[A aprovação] ocorre depois de meses de testes clínicos rigorosos e uma análise minuciosa dos dados por especialistas da MHRA [Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos para a Saúde do Reino Unido], que concluíram que a vacina atendeu aos rígidos padrões de segurança, qualidade e eficácia”, lê-se em comunicado do governo britânico.

É a proteção das vacinas que nos permitirá, em última instância, recuperar nossas vidas e fazer a economia andar novamente”, escreveu o primeiro-ministro, Boris Johnson, em seu perfil no Twitter.



O Reino Unido soma mais de 1,6 milhão de casos de covid-19, segundo o medidor Worldometer. Já são quase 60.000 mortes pela doença desde o início da pandemia.

A Pfizer e a BioNTech anunciaram o resultado final dos testes em 18 de novembro. A vacina mostrou 95% de eficácia na prevenção da covid-19, sem eventos que motivem preocupações relevantes de segurança.

Um obstáculo para a distribuição dessa vacina, batizada BNT162b2, é a infraestrutura necessária para seu transporte e armazenamento. Isso porque a vacina precisa ser mantida a uma temperatura de -70ºC. A Pfizer tem em alguns Estados norte-americanos 1 programa piloto para testar a logística necessária para distribuição da substância.

Pfizer e BionTech pediram, em 20 de novembro, aprovação à autoridade sanitária norte-americana (FDA) para o uso emergencial nos Estados Unidos.

Nessa 3ª (1º.dez.2020), enviaram pedido para a EMA (Agência Europeia de Medicamentos). As empresas querem oferecer a vacina nesses territórios ainda em 2020.

VACINAÇÃO NO BRASIL

O Ministério da Saúde divulgou nessa 3ª feira (1º.dez) um documento em que apresenta o plano preliminar de vacinação contra a covid-19 no Brasil. Há 4 fases previstas pela equipe técnica da pasta. A prioridade será para idosos, pessoas com comorbidades, profissionais de saúde e indígenas. Leia a íntegra  do comunicado do Ministério da Saúde (557 KB).

Ainda não há, no entanto, previsão sobre qual vacina será comprada. Tudo depende da apresentação de documentos à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e da rapidez da agência para certificar o imunizante.

O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Medeiros, sinalizou nesta 3ª feira (1º.dez.2020), sem citar nomes, que a vacina da Pfizer não está no perfil ideal para uso no Brasil. Ele defendeu a inclusão no plano nacional de um imunizante que, “fundamentalmente”, possa ser armazenado a temperaturas de 2°C a 8°C, compatível com a capacidade da rede de resfriamento nacional.

O Brasil tem acordo com a AstraZeneca/Oxford para o fornecimento de 100 milhões de doses e transferência de tecnologia. A AstraZeneca informou que o imunizante tem de 62% a 90% de eficácia na prevenção da covid-19.

Representantes do governo brasileiro se reuniram em 22 de novembro com 5 farmacêuticas: Pfizer (EUA), Janssen (Bélgica), Bharat Biotech (Índia), RDIF (Fundo Russo de Investimento Direto) e Moderna (EUA).

Pfizer/BioNTech, AstraZeneca/Oxford e Sinovac iniciaram o processo de análise da vacina junto à Anvisa.

A CoronaVac, vacina da chinesa Sinovac, é testada no Brasil sob a coordenação o Instituto Butantan. O governo do Estado de São Paulo tem acordo para aquisição de doses do imunizante e transferência de tecnologia.

A vacina permanece banida das negociações com o governo federal, por vontade do presidente Jair Bolsonaro.

INÍCIO DA VACINAÇÃO NO MUNDO

A Rússia anunciou nessa 2ª feira (30.nov.2020) que começou a vacinar a população com a Sputnik V. A oferta do imunizante tem início antes mesmo da conclusão dos testes da vacina.

Além do Reino Unido, 4 países pretendem começar a imunização ainda em 2020. Eis a previsão de início da vacinação pelo mundo: