Popular Tags:

Motorista de aplicativo é feito refém por criminosos em Belém

5 de dezembro de 2018 at 01:55

Motorista de aplicativo é feito refém por criminosos em Belém (Foto: Antônio Melo/Diário do Pará)

Polícia negocia para libertar reféns das mãos de assaltantes. (Foto: Antônio Melo/Diário do Pará)

A insegurança toma conta de Belém e a prova disso foi nesta terça-feira (4), em mais um episódio de assalto com refém na capital. Agora, o local foi o canal São Joaquim, no bairro do Barreiro.

Um carro vermelho foi rapidamente cercado por uma equipe da Polícia Militar e logo se identificou que havia reféns dentro do veículo. Os bandidos assaltaram o carro na rodovia Artur Bernardes. dentro do veículo estava um homem que trabalhava para o aplicativo de transportes Uber.

As viaturas interceptaram o veículo na passagem Estelio Maroja e deu início a uma perseguilção. Os criminosos foram cercados próximo ao canal São Joaquim e a polícia deu início as negociações para libertar o refém.

Apos algumas exigências serem atendidas, como presença da imprensa e de familiares, os dois criminosos libertaram a vítima e se entregaram.

Um pouco mais distante do carro, curiosos acompanham o trabalho de negociação e aguardam com angústia o fim do assalto.

OUTRO CASO

Também na noite desta terça, uma passageira foi feita refém dentro de um ônibus na área do Ver-o-Peso.

(DOL, com informações de Dinan Laredo/RBATV)

 

Relator estuda manter ‘foro’ a autoridades para medidas como pedido de prisão

4 de dezembro de 2018 at 20:52

Por Fernanda Calgaro, G1 — Brasília

O relator da comissão especial na Câmara que discute o foro privilegiado, deputado Efraim Filho (DEM-PB) — Foto: Cleia Viana/Câmara dos DeputadosO relator da comissão especial na Câmara que discute o foro privilegiado, deputado Efraim Filho (DEM-PB) — Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

O relator na comissão especial da Câmara dos Deputados que discute o fim do foro, deputado Efraim Filho (DEM-PB), disse nesta terça-feira (4) que estuda apresentar um parecer mais brando do que o Senado para manter uma espécie de foro no caso de medidas cautelares contra autoridades, como mandado de prisão ou de busca e apreensão.

Segundo ele, a ideia é usar como base o texto aprovado pelos senadores, que acaba com a prerrogativa de foro em relação a crimes comuns, como roubo e corrupção. O foro continuaria a existir no caso de crimes cometidos no exercício do mandato e relativos à função.

Apenas os presidentes da República, da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal (STF) manteriam o foro privilegiado em qualquer situação.

“Estou estudando uma sugestão que tem a ver com as medidas cautelares, que é mandado de prisão, busca e apreensão, serem no órgão colegiado, e não poderem ser por decisão monocrática”, explicou Efraim ao G1.

Após adiamento na semana passada, a expectativa é de que ele apresente o seu parecer em uma reunião convocada para a tarde desta terça-feira.

Pela lei em vigor hoje, políticos como senadores, deputados federais e ministros têm direito a ser investigados e julgados apenas na esfera do Supremo Tribunal Federal (STF). No caso dos governadores, o foro é o Superior Tribunal de Justiça (STJ). Prefeitos, por sua vez, são julgados por Tribunais de Justiça.

No texto aprovado pelo Senado em maio e agora sob análise da comissão da Câmara, as autoridades abaixo dos presidentes de Poder deverão ser julgadas pela primeira instância no estado onde o eventual crime comum tiver ocorrido, e não mais em tribunais superiores.

Se o relator na comissão da Câmara levar adiante a mudança em estudo, as decisões cautelares, como pedido de prisão, teriam que ter um aval de um órgão colegiado e não apenas de um juiz de primeira instância.

Efraim Filho tem dito que pretende encontrar um “ponto de equilíbrio” entre o texto aprovado no Senado no ano passado e a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) deste ano.

Em maio, os ministros da Suprema Corte decidiram restringir o foro privilegiado apenas de deputados e senadores – pois a ação em julgamento tratava apenas de parlamentares.

Com a decisão, só permaneceram no STF os processos cujos crimes ocorreram durante o mandato do parlamentar e que estavam ligados às funções do cargo. Os inquéritos e ações penais que não se enquadram nesse filtro começaram a ser enviados à primeira instância da Justiça Federal ou Estadual.

O presidente da comissão, deputado Diego Garcia (ao centro), ao lado do presidente do Instituto Não Aceito Corrupção, Roberto Livianu, e do relator, deputado Efraim Filho — Foto: Fernanda Calgaro/G1

O presidente da comissão, deputado Diego Garcia (ao centro), ao lado do presidente do Instituto Não Aceito Corrupção, Roberto Livianu, e do relator, deputado Efraim Filho — Foto: Fernanda Calgaro/G1

Ato

Na manhã desta terça, o presidente do Instituto Não Aceito Corrupção, Roberto Livianu, entregou ao Efraim Filho e ao presidente da comissão, deputado Diego Garcia (Pode-PR), um abaixo-assinado com mais de 700 mil assinaturas a favor do fim do foro.

No ato realizado no Salão Verde da Câmara, Livianu, que é promotor de Justiça no Ministério Público de São Paulo, criticou o foro, dizendo que “representa uma das principais barreiras e obstáculos ao combate à corrupção”.

O presidente da comissão especial afirmou que o compromisso do colegiado é aprovar um texto até o fim deste ano.

Advogado é detido em voo após dizer a Lewandowski que STF é ‘uma vergonha’

4 de dezembro de 2018 at 19:38

Por G1 DFMinistro do STF Ricardo Lewandowski durante voo entre Congonhas e Brasília — Foto: Reprodução

Ministro do STF Ricardo Lewandowski durante voo entre Congonhas e Brasília — Foto: Reprodução

Ex-prefeito de Tucuruí é alvo de operação por desvio de mais de R$ 50 milhões

4 de dezembro de 2018 at 12:09

Ex-prefeito de Tucuruí é alvo de operação por desvio de mais de R$ 50 milhões  (Foto:  Reprodução)

Ex-prefeito de Tucuruí volta a ser alvo de denúncia por corrupção. (Foto: Reprodução)

O ex-prefeito de Tucuruí, Sancler Wanderley Ferreira é um dos alvos da operação de combate à corrupção realizada na manhã desta terça-feira (4), com o cumprimento de diversos mandados de prisão, além de busca e apreensão.

Além do ex-prefeito, servidores públicos e empresários estariam envolvidos em fraudes que podem ultrapassar o valor de R$ 50 milhões.

A operação é realizada pelo Ministério Público Estadual com o apoio da Polícia Civil.

Em julho deste ano, o ex-prefeito já havia sido denunciado por um suposto esquema de fraude envolvendo servidores contratados pela prefeitura de Tucuruí, com desvio de dinheiro público, que na época pode ter custado mais de R$ 6 milhões aos cofres públicos da cidade.

(DOL)

Avião que transportava indígenas desaparece no extremo norte do Pará

4 de dezembro de 2018 at 10:15

Avião que transportava indígenas desaparece no extremo norte do Pará (Foto: Divulgação)

Avião desaparecido é um modelo PT-RDZ, embraer Minuano, semelhante ao da imagem (Foto: Divulgação)

Oito pessoas estão desaparecidas após um avião de pequeno porte perder o contato com a base 25 minutos depois de ter decolado no extremo norte do Pará. O fato ocorreu na segunda-feira (3).

O piloto teria comunicado que estava com problemas e precisava fazer um pouso de emergência, após isso não se teve mais notícias.

Segundo a Fundação Nacional do Índio (Funai), os passageiros eram o motorista que do órgão e sete indígenas, que saíram do município de Laranjal do Jari, no Amapá, em direção ao Parque do Tumucumaque, já no Pará.


Porção de terra da comunidade indígena fica entre os estados do Amapá e Pará (Foto: Reprodução/Google Maps)

Uma porção da parte indígena do Parque do Tumucumaque está localizada entre os dois estados.

Até a publicação da reportagem não havia informações sobre a localização das pessoas ou da aeronave. O DOL busca mais informações com a Fundação Nacional do Índio.

(DOL)

MPF pede que Palocci pague 20 milhões de dólares para permanecer em prisão domiciliar

3 de dezembro de 2018 at 13:37

Por G1 PR

Palocci deixou a prisão no dia 29 de novembro, em Curitiba, depois que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) concedeu prisão domiciliar a ele. — Foto: Reprodução/TV Globo

Palocci deixou a prisão no dia 29 de novembro, em Curitiba, depois que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) concedeu prisão domiciliar a ele. — Foto: Reprodução/TV Globo

O Ministério Publico Federal informou nesta segunda-feira (3) que pediu à 12ª Vara Federal de Curitiba para que Antônio Palocci pague 20 milhões de dólares para permanecer em prisão domiciliar.

Os procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato alegam que o juiz Danilo Pereira Júnior errou ao permitir que Palocci saísse porque levou em consideração uma cláusula do acordo de colaboração que previa limite de indenização, em valores já bloqueados pela Justiça.

Esta cláusula, no entanto, não foi homologada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), segundo o MPF, e portanto não poderia ter sido aplicada.

O MPF pede que o juiz corrija esse erro e exija que Antônio Palocci pague o montante que foi estipulado em sentença.

O requerimento pede que, caso não pague, que o ex-ministro volte a ser preso por não atender aos requisitos para a progressão.

Palocci tinha sido preso em setembro de 2016 e deixou a prisão no dia 29 de novembro, em Curitiba, depois que o TRF-4 concedeu prisão domiciliar a ele. O ex-ministro está sendo monitorado por uma tornozeira eletrônica.

Um dia antes de colocar a tornozeleira, Palocci questionou o juiz federal Danilo Pereira Junior, da 12ª Vara da Justiça Federal de Curitiba, sobre a possibilidade de trabalhar.

No entendimento do juiz de execução penal, que explicou sobre os regimes semiaberto e aberto, por ora, não é o momento para que ele comece a trabalhar, visto que o ex-ministro deverá cumprir a pena integralmente em casa.

Porém, o magistrado orientou que a defesa de Palocci, que é médico, faça o pedido no processo e não afastou a possibilidade por completo.

“Uma vez apresentado qual é o tipo de trabalho, onde, horário, aí a defesa peticiona e vou dar vista [ao Ministério Público Federal]. Em regra, não tem autorizado”, afirmou o juiz.

O juiz Danilo Pereira Júnior determinou que Palocci pague um valor mensal de R$ 149 pela manutenção do equipamento eletrônico.

Documento do Disque-Denúncia apontava que ataque em delegacia iria ocorrer

3 de dezembro de 2018 at 09:33

Documento do Disque-Denúncia apontava que ataque em delegacia iria ocorrer (Foto: Fernando Araújo/Diário do Pará)

(Foto: Fernando Araújo/Diário do Pará)

O ataque a uma delegacia da Região Metropolitana de Belém era uma questão de tempo. Desde o início do mês as redes sociais vinham divulgando as pretensões de uma facção criminosa em promover tal ataque. Um documento do Disque-Denúncia trazia um informe de alta relevância. Um homem avisava claramente que o ataque iria ocorrer. Quem recebeu a denúncia no final do documento afirma que “solicita averiguações e pede providências”.

Esse documento difundido nas redes sociais levantou a ira dos colegas do policial assassinado na noite de sábado (1º), no bairro do Atalaia, em Ananindeua. “Tem que cobrar de quem sabia que ia acontecer e não tomou providência”, gritava um investigador do local do crime.

Dezenas de policiais civis de várias delegacias e seccionais foram convocados tão logo foram informados do assassinato do investigador Félix como era conhecido entre os colegas, para darem apoio nas primeiras investigações.

Cada policial civil e militar que chegava no local do crime se revoltava. Informações chegavam a todo instante por telefone e pelo rádio da polícia. O assassinato do policial e o ataque contra uma delegacia ganharam ares de revolta no seio da categoria.

“Temos que fazer uma revolução na segurança pública”, disse, por meio de nota, Pablo Farah, vice-presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Polícia Civil do Pará (Sindpol).

O caso

Com 44 anos de serviço público, o investigador de Polícia Civil Cândido Félix Rodrigues Santana, 69 anos, foi o terceiro policial civil assassinado em 2018 no Pará. Além de o balearem, os criminosos atiraram contra o prédio da Delegacia do bairro do Atalaia, em Ananindeua, Região Metropolitana de Belém. A porta de vidro na entrada do imóvel ficou destruída e os estilhaços ainda permaneciam ao chão, na manhã de ontem (02). Pelo menos três disparos também atingiram uma das janelas de vidro da delegacia, que foi perfurada pelos projéteis.O investigador cumpria mais um plantão de 24h, que iniciou na manhã de sábado (1º) e terminaria às 8h de ontem. Em nota, a Polícia Civil, por meio da Divisão de Homicídios, informou que investiga desde a noite do crime as circunstâncias da morte. O caso ocorreu na Rua São Raimundo dentro de um mercadinho, localizado em frente à delegacia do bairro.

De acordo com a Polícia Civil, informações preliminares apontam que, no momento do homicídio, havia dois investigadores de plantão na delegacia, quando um deles saiu a serviço da Unidade Policial, ficando somente Félix no local. Por volta de 21h, a vítima se ausentou da delegacia e foi até um mercadinho para comprar um lanche, situado em frente à unidade. Enquanto o policial estava no local, foi surpreendido com disparos efetuados por um homem que, em seguida, fugiu levando a pistola calibre ponto 40 do policial.

DOIS CARROS

Ainda segundo as investigações preliminares, os criminosos chegaram em dois veículos, sendo um carro prata – possivelmente um Honda Civic – e outro preto, que seria um Corolla. A ação teria durado poucos minutos e, de imediato, policiais civis do Grupo de Pronto-Emprego (GPE), equipe tática da Polícia Civil, foram enviados ao local para dar apoio aos policiais civis da Divisão de Homicídios acionados na apuração dos fatos.O local do crime foi isolado por policiais militares até a chegada das equipes de peritos criminais do Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves e da remoção. Policiais civis da Diretoria de Polícia Metropolitana também estiveram no local para auxiliar as investigações. Equipes de investigação ainda trabalham na apuração dos fatos visando a identificação dos envolvidos no crime.

A Polícia Civil informou ainda que providenciou um ônibus para ajudar no transporte da família. O corpo foi velado na casa de familiares, no conjunto Cordeiro de Farias, bairro do Tapanã, em Belém. “A Diretoria de Atendimento ao Servidor (DAS) da Polícia Civil está prestando todo apoio aos familiares por meio de atendimento psicossocial. O corpo será velado no Distrito de Mosqueiro, na Avenida Francisco Xavier, no bairro Maracajá. A Polícia Civil lamenta profundamente a morte violenta do investigador Félix e garante que não vai descansar até que todos os envolvidos no crime sejam presos”, disse a nota.

Sem se identificar, moradores da área contam que ouviram mais de 20 disparos no momento em que o policial foi alvejado. Presente no local na manhã de ontem, a esposa do dono do mercadinho contou que aguardava pelo companheiro em casa naquela noite e ficou desesperada quando soube do crime, já que o esposo estava no local trabalhando. “Ele viu quando chegaram e correu quando começaram a atirar. A rua estava movimentada. Tinha muita gente comendo churrasco ao lado”, relatou uma mulher. Após ser atingida, a vítima caiu e veio a óbito dentro do mercadinho.

Um outro morador disse que estava na porta de sua casa. “Só chegaram e miraram nele, foi uns 20 tiros. Depois fugiram. Ele tava sozinho. Depois a rua encheu de gente”, acrescentou.

REFORÇO

Pablo Farah, vice-presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Polícia Civil do Pará (Sindpol) e vereador de Belém, explicou que a morte de mais um policial civil “era tragédia anunciada”. Segundo ele, o sindicato já havia alertado o governo de que as delegacias poderiam ser atacadas, como ocorreu na noite de sábado no bairro do Atalaia. “Pedimos o reforço de policiais nas mesmas. É inadmissível que uma delegacia como essa ter apenas dois policiais. Isso é um tapa na cara de um governo que está cego e sem poder de reação para essa onda de crimes que assola o Pará. Poderíamos ter ali pelo menos um prédio decente, com estrutura e segurança para o trabalho”, critica.

Farah disse ainda que, para manter uma delegacia como essa aberta, o governo teria que ao menos organizar uma ação integrada de policiais militares e civis e, quando possível, com a presença da guarda municipal também. “Está na hora de nossos policiais se integrarem de fato, pois o crime organizado cada vez mais se organiza, e vemos um Estado desorganizado. Onde a nossa inteligência policial não consegue sequer falar em tempo real com nossos policiais que estão nas ruas. Temos que fazer uma revolução na segurança pública”.

“Esperamos que o novo governo tenha essa clareza e vontade, que ouça seus policiais, valorizando os bons. E os que, por ventura, estejam do lado do bandido, que respondam o peso da lei. Já chega de ver o sangue de nossos irmãos policiais jorrar nas ruas, sem que o Estado consiga dar a proteção que merecemos”, conclui.

(Diário do Pará)

Depois de ‘Amor & Sexo’, programa de Fátima Bernardes também deve sair do ar

3 de dezembro de 2018 at 09:14

Depois de 'Amor & Sexo', programa de Fátima Bernardes também deve sair do ar (Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

A Globo é uma das maiores emissoras do Brasil, mas ultimamente a poderosa vem enfrentando uma verdadeira crise na programação.

Um dos programas mais afetados é o ‘Mais Você’, da apresentadora Ana Maria Braga, que em algumas regiões do país não tem dado tanto Ibope quanto antes.

O primeiro teste da emissora acontece na Bahia. Np estado, a Record tem vencido a Globo por horas. O primeiro programa que deixa de ser exibido no teste é o ‘Bem Estar’, que para de ser exibido na terra de Jorge Amado já na semana que vem, segundo o site Compartilhando.

No entanto, outras atrações, como o ‘Encontro’ de Fátima Bernardes e o ‘Mais Você’, de Ana Maria Braga, também devem entrar na lista negra.

A informação foi dada com destaque pelo site Notícia da TV e retrata como hoje não existe mais uma hegemonia na televisão brasileira. Até mesmo em São Paulo, onde a Globo sempre foi líder, o canal enfrenta problemas com o Ibope, principalmente no horário do Vídeo Show.

(Com informações do Notícias da TV)

Ventania assusta moradores de Ananindeua. Veja os vídeos!

3 de dezembro de 2018 at 08:49

Ventania assusta moradores de Ananindeua. Veja os vídeos! (Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

Uma forte ventania foi registrada no final da tarde deste domingo (2), no bairro do Curuçambá, em Ananindeua, Região Metropolitana de Belem.

O fenômeno foi filmado por vários moradores e mostra o momento em que a nuvem começa a se formar.

No vídeo também dá para ver um transformado de energia explodindo e muitos comentam que até as telhas voaram.

CONFIRA OS VÍDEOS:

(DOL)

 

Padre é preso com foto de garoto seminu após trocar mensagens íntimas

2 de dezembro de 2018 at 12:01

Padre é preso com foto de garoto seminu após trocar mensagens íntimas (Foto: Divulgação)(Foto: Divulgação)

Um padre de 56 anos foi preso em flagrante após a Polícia Civil localizar no celular do suspeito a foto de um adolescente apenas de cueca. O crime ocorreu na cidade de Borda da Mata, Sul de Minas.

O mandado de busca e apreensão ocorreu na casa paroquial em que o padre morava. Segundo moradores, o religioso estava na cidade há mais de um ano e realizava missas na Paróquia Nossa Senhora do Carmo.

De acordo com a assessoria de imprensa da polícia, após encontrar a imagem do garoto de 15 anos seminu, ele foi chamado para conversar. O menino confirmou aos policiais que tinha trocado mensagens com o sacerdote.

O padre foi preso em flagrante com base no artigo 241A do Estatuto da Criança e do Adolescente, que prevê pena de três a seis anos de reclusão para quem “oferecer, trocar, disponibilizar, transmitir, distribuir, publicar ou divulgar por qualquer meio, inclusive por meio de sistema de informática ou telemático, fotografia, vídeo ou outro registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente”

Após prestar depoimento, o padre foi encaminhado ao presídio de Pouso Alegre, cidade vizinha. Por meio de nota, a Arquidiocese de Pouso Alegre, responsável pela paróquia de Borda da Mata, informou que o religioso foi afastado das atividades.

O padre foi encaminhado ao presídio de Pouso Alegre.

Veja a nota na íntegra:

“Considerando que nesta data foi preso *, padre em licença do Mosteiro Trapista de Campo do Tenente (PR) para uma experiência pastoral em nossa Arquidiocese de Pouso Alegre.
Por medida cautelar, a Arquidiocese de Pouso Alegre afastou o padre do exercício do ministério, enquanto aguarda o resultado da apuração dos fatos.

A Arquidiocese de Pouso Alegre está disposta a colaborar com a Justiça em tudo o que for necessário para a elucidação dos fatos e lamenta profundamente o ocorrido que ferem o Corpo Eclesial e a comunidade cristã, e assim pede que não falte a todos a misericórdia e a oração neste momento doloroso”.

(Com informações do portal O Tempo)