Popular Tags:

Reforma do Parque do Utinga custou mais de R$ 63,5 milhões

13 de dezembro de 2018 at 10:02

Reforma do Parque do Utinga custou mais de R$ 63,5 milhões (Foto: Wagner Santana/Diário do Pará)

Reforma feita pela Secult está sob suspeita de superfaturamento (Foto: Wagner Santana/Diário do Pará)

É incrível, mas verdadeiro: a reforma do Parque do Utinga, em Belém, custou R$ 63,5 milhões aos cofres públicos paraenses – no mínimo. Os números são dos balanços gerais do Estado, os documentos oficiais que registram todas as receitas e despesas do Governo, e foram atualizados pelo DIÁRIO com base no IPCA-E de setembro.

A reforma, que foi executada pela Secretaria Estadual de Cultura (Secult) e está sob suspeita de superfaturamento, consistiu na construção de um pórtico (entrada), de um estacionamento e de duas áreas cobertas chamadas de “Acolhimento” (recepção), além da drenagem e reparo da pavimentação dos 3,3 quilômetros da principal via de acesso ao parque – menos que a distância entre a Basílica de Nazaré e o Bosque Rodrigues Alves, que é de 3,7 km, diz o site TripAdvisor.

No entanto, a montanha de dinheiro torrada pelo governador Simão Jatene no Parque do Utinga pode ter sido ainda maior, alcançando R$ 65,5 milhões: é que a antiga Secretaria Estadual de Obras Públicas (Seop) também teria realizado quase R$ 1,9 milhão em serviços de engenharia naquele parque. Entre 2013 e 2014, a Seop teria construído ali um estacionamento e uma guarita.

O fato, se confirmado, pode indicar o pagamento de serviços em duplicidade, já que a Secult também teria construído, entre 2014 e 2016, um estacionamento naquele local. Seria mais uma entre as várias irregularidades naquela reforma, que estaria superfaturada em pelo menos R$ 12 milhões, segundo uma fonte que trabalhou nas obras e entregou documentos e áudios ao DIÁRIO, como você leu nas edições de 02, 09 e 10 deste mês.


(Foto: Wagner Santana/Diário do Pará)

Segundo os balanços gerais do Estado, só a Secult gastou R$ 63,5 milhões na “implantação” do Parque do Utinga, entre 2012 e 2017 (na verdade, o parque existe desde 1993). Desse total, 58,46% foram pagos à Paulitec, a construtora responsável pela execução das obras. Segundo o portal estadual da Transparência, ela recebeu da Secult, entre 2014 e 2017, mais de R$ 37 milhões atualizados, pelas obras do Utinga. Outros 41,48% (ou mais de R$ 26 milhões) foram pagos ao consórcio responsável pelo projeto, gerenciamento e fiscalização dos serviços.

O consórcio era integrado pelas empresas Sanevias Consultoria e Projetos Ltda e Hidro Engenharia Sanitária e Ambiental Ltda. A Paulitec é a construtora predileta dos tucanos paraenses. A Sanevias seria ligada ao ex-secretário estadual de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas, Ruy Klautau de Mendonça. Em um perfil no Linkedin, consta que um cidadão com esse mesmíssimo nome é diretor de Engenharia da Sanevias, desde 2014. Mas outra empresa também teria realizado obras no Utinga: a MDS Construtora e Incorporadora Ltda – ME.

CONTRATO

O que chama a atenção é que o contrato entre a Secult e o consórcio Sanevias/Hidro, para a reforma do Utinga, foi assinado em 14/11/2012, conforme o DOE de 20/11/2012, caderno 6, páginas 6 e 7. O contrato, 076/2012, tinha o valor de R$ 16.920.543,17 e vigência até 14/10/2014, aparentemente, para projeto, planejamento, orçamento, gerenciamento e fiscalização das obras (o extrato contratual publicado no DOE pouco esclarece ao contribuinte).

Além disso, em 20/06/2014, a Secult assinou o contrato 32/2014, com a Paulitec Construções Ltda, no valor de R$ 35.914.905,05 e vigência até 20/06/2015, diz o DOE de 26/06/2014, caderno 4, página 13. As obras incluíam a construção de um “pórtico de entrada” e de um estacionamento. Então, como explicar o contrato entre a Seop e a MDS? Segundo um documento entregue por uma fonte ao DIÁRIO, o estacionamento construído pela Paulitec teria ficado em mais de R$ 6,7 milhões, em valores da época. Já o “pórtico de entrada” teria saído por cerca de R$ 2,8 milhões.

(Ana Célia Pinheiro/Diário do Pará)

 

PF faz operação para ampliar investigações no Ministério do Trabalho

13 de dezembro de 2018 at 09:22

PF faz operação para ampliar investigações no Ministério do Trabalho (Foto: Ravena Rosa/Agência Brasil)

Quinta fase da Registro Espúrio cumpre mandados em quatro cidades (Foto: Ravena Rosa/Agência Brasil)

A Polícia Federal deflagrou hoje (13) a quinta fase da Operação Registro Espúrio para ampliar as investigações sobre a atuação de uma organização criminosa que atua em fraudes e desvios relacionados a registros sindicais obtidos no Ministério do Trabalho. A suspeita é que o valor desviado tenha passado dos R$ 12 milhões. No total, 14 mandados de busca e apreensão serão cumpridos ao longo do dia.

O foco das investigações é o desvio de valores da Conta Especial Emprego e Salário (Cees) por meio de pedidos fraudulentos de restituição de contribuição sindical. Os policiais suspeitam de um esquema criminoso que atuava no Distrito Federal, Goiás e Paraná.

Os mandados de busca e apreensão serão executados em Brasília, Goiânia, Anápolis e Londrina. Segundo a Polícia Federal, os investigados vão responder pelos crimes de peculato, corrupção passiva, corrupção ativa, falsificação de documento público e lavagem de dinheiro.

Estratégia

O esquema envolvia uma organização que arregimentava entidades interessadas na obtenção fraudulenta de restituições de contribuição sindical supostamente recolhidas indevidamente ou a maior na CEES.

De acordo com a Polícia Federal, foram afastados o consultor jurídico do Ministério do Trabalho, por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF), e o superintendente regional do Trabalho no Distrito Federal.

(Agência Brasil)

Câmara tem cinco candidatos à presidência da Casa

13 de dezembro de 2018 at 00:11

 O plenário da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 6433/13, que permite ao delegado de polícia adotar medidas de urgência para proteger mulheres vítimas de agressão.

Publicado em 12/12/2018 – 20:39

Por Agência Brasil*  Brasília

A disputa para a presidência da Câmara dos Deputados em 2019 já tem ao menos cinco parlamentares: João Campos (PRB-GO), JHC (PSB-AL), Alceu Moreira (MDB-RS), Capitão Augusto (PR-SP) e Fábio Ramalho (MDB-MG). Eles anunciaram nesta quarta-feira (12) que disputarão o comando da casa. Informalmente, o atual presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), também tem se articulado para garantir a permanência no cargo.

Em entrevista à imprensa, os cinco deputados afirmaram que há um acordo entre eles: quem for para o segundo turno terá o apoio dos demais. A eleição para presidência da Câmara e demais cargos na Mesa Diretora ocorre no dia 1º de fevereiro de 2019, logo após a posse dos deputados da próxima legislatura.

Hoje, o líder do PSL, deputado federal Eduardo Bolsonaro (SP), disse que a legenda não deverá entrar na disputa. O partido do presidente eleito tem trabalhado para assegurar base política no Congresso Nacional e entre as costuras está a decisão de não lançar candidato.

“Eu acho muito difícil [o PSL lançar candidatura], acredito que vá ser uma pessoa de outro partido. Essas articulações estão acontecendo dentro do Congresso, estão ventilando, todos que estão ali estão se articulando publicamente ou nos bastidores”, disse o deputado.

*Com informações da Agência Câmara

Edição: Denise Griesinger

Ciro Gomes vira réu em processo de calúnia por ter chamado João Doria de ‘farsante’

12 de dezembro de 2018 at 23:27

Por Marina Pinhoni, G1 SP — São Paulo

Ciro Gomes (PDT) e João Doria (PSDB) — Foto: Marcelo Brandt e Celso Tavares/G1

Ciro Gomes (PDT) e João Doria (PSDB) — Foto: Marcelo Brandt e Celso Tavares/G1

A juíza Simone de Faria Ferraz, da 16ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, aceitou nesta terça-feira (11) uma denúncia de calúnia e difamação feita pelo governador eleito de São Paulo João Doria (PSDB) contra o presidenciável derrotado Ciro Gomes (PDT).

A ação é referente a declarações dadas por Ciro em uma palestra na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) em maio de 2017, quando João Doria ainda era prefeito de São Paulo.

“Doria é um farsante. (…) Toda a fortuna dele vem de ‘lobby’. ‘Lobby’, tráfico de influência e dinheiro público dos governos do PSDB de São Paulo e de Minas Gerais. Esses piqueniques de barão que ele promove tudo é financiado por dinheiro público e dá banca pra ele fazer ‘lobby’. (…). O cara se apresentar como não político. Eu era prefeito de Fortaleza e ele era presidente da Embratur e foi corrido de lá por corrupção”, afirmou Ciro na ocasião.

Segundo a queixa apresentada pelos advogados de Doria, as afirmações “extrapolam em muito o seu direito à liberdade de expressão e manifestação de pensamento, pois atacam frontalmente a honra do querelante, seu nome e sua imagem”.

A acusação diz ainda que ações foram movidas em outros estados, pois Doria estaria há aproximadamente cinco meses vendo “seu nome e sua honra sendo enxovalhados pelo ex-governador do Ceará”, que teria se valido “das oportunidades em que lhe é dada a fala em palestras, reuniões públicas e, até mesmo, entrevistas em veículos de comunicação, para desferir ofensas à pessoa do querelante”.

Procurada pelo G1, a assessoria de imprensa de Ciro Gomes afirmou que sua defesa ainda não foi notificada e que, portanto, não comentará o caso.

Madrasta crava pedaço de guarda-chuva no crânio de enteado

12 de dezembro de 2018 at 22:57

Madrasta crava pedaço de guarda-chuva no crânio de enteado (Foto: Via WhatsApp)

Foto: Via WhatsApp)

Um caso de maus tratos com uma criança chocou muita gente na zona periférica de Breves, no Marajó.

Durante a tarde desta quarta-feira (12), uma mulher acabou cravando um pedaço do guarda-chuva no crânio do enteado na avenida Afuá, no parque universitário do município.

A criança chegou a ser socorrida até a Unidade de Pronto Atendimento por parentes e não corre nenhum risco de morte.

A madrasta foi detida e encaminhada pela equipe da Polícia Militar ao Sindicato dos Delegados de Polícia do Paraná (Sudepol), para medidas cabíveis.

(Com informações de Marcos Onias/RBA TV))

Homem invade igreja, mata cinco pessoas e se suicida; Veja o vídeo

11 de dezembro de 2018 at 15:29

Homem invade igreja, mata cinco pessoas e se suicida; Veja o vídeo (Foto: Divulgação)

O homem entrou na Catedral atirando contra o grupo de fiéis. (Foto: Divulgação)

Um homem, não identificado, invadiu a Catedral Metropolitana de Campinas, em São Paulo, e matou quatro pessoas no início da tarde desta terça-feira (11). Os fiéis foram atacadados durante a celebração de uma missa no local. Após o ataque, o suspeito acabou se matando.

Além das quatro pessoas mortas a tiros, outras quatro foram atingidas pelos disparos. As vítimas foram socorridas pelos bombeitos e pela equipe médica do Serviço de Atendimento Móvel de Urgencia (Samu). Em seguida, foram encaminhadas para hospitais da cidade.

No momento, a Catedral de Nossa Senhora da Conceição, situada no centro da cidade, está cercada pelos agentes das forças de segurança.

Um vídeo gravado por pessoas que circulavam pelo entorno da igreja mostra os fiéis recebendo os primeiros atendimentos médicos.

Assista:

(Com informações da Folha de São Paulo)

 

Meirelles aceita convite de Doria e será secretário da Fazenda em SP

11 de dezembro de 2018 at 10:44

Presidente do Banco Central na gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ministro da Fazenda de Michel Temer

Gluck Paul afirma que diretoria bicolor não está parada

11 de dezembro de 2018 at 10:17

(Foto: Jorge Luiz/Paysandu)

O Paysandu trabalha nos bastidores, como se fosse mineiro, sem alarde, no silêncio, na montagem de seu elenco para a temporada de 2019. Se a demora no anúncio dos novos contratados do clube já causa certa apreensão entre os torcedores do clube, o presidente eleito Ricardo Gluck Paul assegurou, ontem, em conversa com a reportagem que está tranquilo quanto a situação, mas que também entende a preocupação da Fiel, que já assiste o tradicional adversário, o Clube do Remo anunciando novas aquisições.

“Vejo a preocupação do torcedor com razão. Ele está certo”, comentou, lacônico, o dirigente. Gluck Paul salientou que não vem guiando suas ações à frente da nova direção bicolor em função do rival. “A gente não pode se pautar no Remo, que está fazendo o trabalho dele. O Remo está trabalhando há uns três meses pelo que me consta. Nossa realidade é diferente” declarou o presidente. “Além disso, cada clube tem a sua metodologia de trabalho e nós aqui no Paysandu temos a nossa. Não podemos nos pautar pelo que o adversário vem fazendo”, discursou.

Gluck Paul assegurou que a direção do clube não está parada, como muita gente pode imaginar. “Estamos trabalhando dia e noite e nos finais de semana direto”, revelou. “A gente entende que há essa ansiedade por nomes, agora o fato é que até dia 3 de janeiro o elenco vai se apresentar para começar os treinamentos. O que não podemos fazer é colocar a carroça adiante dos bois. Isso a gente não pode fazer”, comentou o presidente, que tem se reunido constantemente com o diretor de futebol Felipe Albuquerque e alguns dos outros dirigentes do clube.

 

Vendedor de açaí tem a casa invadida e é executado enquanto dormia

11 de dezembro de 2018 at 09:35

Vendedor de açaí tem a casa invadida e é executado enquanto dormia (Foto: Wagner Almeida/Diário do Pará)

Comerciante estava dormindo quando teve a casa invadida por três homens armados, na madrugada de hoje (11), no bairro Tapanã, em Belém (Foto: Wagner Almeida/Diário do Pará)

Um vendedor de açaí teve a casa invadida e foi executado a tiros, na madrugada desta terça-feira (11), dentro da própria casa, na estrada do Ranário, final da linha do Tapanã, no bairro de referido nome, em Belém.

Antônio Jader Vieira da Silva, de 29 anos, estava dormindo ao lado da esposa quando foi surpreendido pela invasão da casa por três homens armados que, sem pensar duas vezes, efetuaram disparos e ceifaram a vida do comerciante.

Moradores afirmam que os suspeitos – que conseguiram fugir – estavam em um carro modelo siena de cor prata.

Segundo a PM, Antônio não tinha passagem pela polícia, mas era usuário de drogas. A Policia Civil investiga o caso.

(Com informações de Sancha Luna/RBA TV)

PF faz buscas em imóveis de Aécio Neves, Cristiane Brasil e Paulinho da Força

11 de dezembro de 2018 at 08:36

A procura de documentos faz parte de operação baseada em delações de Joesley Batista e Ricardo Saud. Os executivos do grupo J&F relataram repasse de propina de quase R$ 110 milhões ao senador do PSDB.

Equipes da Polícia Federal e do Ministério Público Federal cumprem, na manhã desta terça-feira (11), mandados de busca e apreensão em imóveis do senador Aécio Neves (PSDB-MG) e da irmã dele, Andréa Neves, no Rio e em Minas Gerais.

Há equipes ainda em endereços dos deputados federais Paulinho da Força (SD-SP), em São Paulo, e Cristiane Brasil (PTB-RJ), no Rio. São investigados na ação, também, os senadores Agripino Maia (DEM-RN) e Antonio Anastasia (PSDB-MG) e o deputado federal Benito da Gama (PTB-BA).

A PF não detalhou se há mandados contra esses três últimos parlamentares. Além dos políticos, as buscas miram empresários que, afirmam promotores, emitiram notas fiscais frias para Aécio.

Propina de R$ 110 milhões

A procura de documentos faz parte de operação baseada em delações de Joesley Batista e Ricardo Saud. Os executivos do grupo J&F relataram repasse de propina de quase R$ 110 milhões ao senador Aécio Neves. Suspeita-se que os valores eram recebidos através da simulação de serviços que não eram efetivamente prestados e para os quais eram emitidas notas fiscais frias.

A Operação Ross cumpre total de 24 mandados de busca e apreensão em oito estados e no Distrito Federal. São investigados os crimes de corrupção passiva, organização criminosa, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

A defesa do tucano, em nota, considerou a medida “desnecessária” (veja abaixo).

Senador Aécio Neves (PSDB), que foi eleito deputado federal, no dia da votação em Minas — Foto: Reprodução/TV Globo

Senador Aécio Neves (PSDB), que foi eleito deputado federal, no dia da votação em Minas — Foto: Reprodução/TV Globo